Poesia & Conto

Poemas | Carlos Barroso

Foto de Pau Sayrol na Unsplash

POEMAS

 

pra conquistar esse amor

 

nem trabalho de tarô

nem Ogum nem Xangô

ou poema de Rimbaud

 

nem haicai de Bashô

nem múltiplos orgasmos

ou romantismo de Carlos

 

pra conquistar esse amor

 

nem leitura de Lukács

nem barra de chocolate

ou frase de Engels ou Marx

 

nem ideograma de Pignatari

nem ideia de Voltaire

ou aforismo de Baudelaire

 

pra conquistar esse amor

 

nem música de Beethoven

nem humor de Grande Otelo

ou uma noite em hotel

 

nem soco de Eder Jofre

nem romance de Joyce

ou pintura de van Gogh

 

pra conquistar esse amor

 

nem rosas vermelhas

nem uma caixa de ameixas

ou buquê de amor-perfeito

 

pra conquistar esse amor

 

nem um beijo

Setembro reescrito

 

em setembro reescrito

te esperei como

um aluvião corrompido

inocente e assíduo

         a mim

em folhas

que voam

à putrefação

 

em setembro

não vinhas

mesmo não confabulados

em outros contextos

                       espetáculos

de folhas

ventanias

e um ar de fole

que se expira

Primeiro poema palestino

                                     (Brasil

             a camisa esvoaçante

                                   no varal

                 em branco e preto

                  o genocídio negro

              o genocídio sanitário

                    o genocídio vário)

             

           torcer para a Palestina

             par a par às chacinas

                    é lutar para parar

                          algo putrefato

                         de Holocausto

             que pouco incomoda

                                     a mídia

               para a menina-dos-

                        olhos da grana

         mais interessa a grama

                             verde-dólar

                                do vizinho

                                não o que

                     paira na bocarra

                de quem assassina

                 uma boca repetida

                 uma podre paródia

                                      nazista

                exterminar um povo

           como se fora terrorista

                      como se a morte

                               de crianças

                          soltando pipas

                   entre o mar e o rio

                           entre o futuro

                         e o que se vive

                  não fosse cópia de

                                 Auschwitz

                             para lembrar

                    que Deus inexiste

                 e nunca se replique

          na republiqueta nuclear

                                   sionista

(Novembro/2023)

assinale

a certa

excelsa

hora

putrefata

em que

o poema

do poema

se basta

irei da luz

de um extremo

até o pensamento

que elabora

o ar que evola

mulher que impera

acima da verve

além da hipérbole

 

 

Fotografia de Carlos Barroso

Carlos Barroso – poeta, artista plástico, jornalista. Do grupo fundador das revistas “CemFlores” e “AquiÓ”. Coeditor da e-plaquete 2022.

  

Publicou: Poetrecos (Poesia Orbital/1997) e os livros-objeto: Carimbalas (2008);  Sãos; Usura; Livraria (2010); 7 poemas de futebol&lirismo e 1 cancão iconoclasta (plaquete/2014); CunilínguaPátria – 69 poemas (2017). E o e-book 41 poemas contra (2020). Todos pela Edições Cemflores.  

Lançou recentemente (15/6/2024), em Belo Horizonte (MG), o livro “pra conquistar esse amor”,  com poemas líricos e sensuais, dentro da coleção Poesia Orbital – segunda edição.

Participou das mostras: Coletiv4 (UFSJ/2015); Ocupação Poética (UFSJ/2017); Além da Palavra (Biblioteca Pública/BH/2018); minimasminas (Café Kahlua/BH/2018); Além da Palavra2: Casa dos Contos/Ouro Preto (2018) e Centro de Memória/Faculdade de Letras UFMG (2019). E Deslocamento (Assembleia Legislativa de Minas Gerais/2022), mostra que foi censurada pela ALMG após ataque de fascistas. A exposição foi reinstalada em 18 de setembro (até 2 de outubro) na Casa de Jornalista de Minas, em um ato de protesto e desagravo à censura e ao obscurantismo.

Repórter político e cronista em jornais; repórter comentarista da Band/Minas; apresentador do programa Cena Política (BHNews). Prêmio Esso regional de Reportagem (2001). Presidente da Casa de Jornalista.

 

Qual é a sua reação?

Gostei
0
Adorei
0
Sem certezas
0

Também pode gostar

Os comentários estão fechados.