Cultura

Apresentação Na Embaixada de Portugal Em Brasília de Coração, Solitário Labirinto, de Henrique Dória | Rossini Corrêa

Constitui motivo de profunda satisfação, ter recebido convite do editor Tagore Alegria, para realizar uma saudação ao escritor Henrique Dória, quando do lançamento do seu livro “Coração, solitário labirinto”. Generosa convocação, sem embargo, posto que distingue onde as distinções não distinguem, mas que me permite, nestas mal traçadas linhas, festejar, na pessoa do diplomata Luis Faro Ramos, a Embaixada de Portugal, por tudo quanto,  de maneira constante, e quase incomparável, promove, em termos de política cultural, a serviço da inteligência luso-brasileira.

 

           O diálogo espiritual entre Portugal e Brasil ora se renova e, revigorado, levanta pontes e descerra horizontes, por meio do consórcio da ISHTAR e da Tagore  editora, as quais colocaram à disposição do leitor nacional o poeta e prosador Henrique Dória, herdeiro e representante de uma notável tradição literária.  Envolvem-nos, nesta auspiciosa noite, Luís Camões, Frei Luís de Sousa, Padre Antônio Vieira, Almeida Garret, Camilo Castelo Branco, Antero de Quental, Eça de Queiroz, Mário de Sá Carneiro, Fernando Pessoa e, para ser minimalista, José Saramago.

 

           Eis Henrique Dória, vestido de azul, em “Coração, solitário labirinto”, prosa de fino quilate, livro de poeta e de pensador. Fragmentário jogo de montar, autêntico quebra-cabeças resultante em um painel existencial, nele há dores da infância perdida, demandas do ser, quermesses lavadas em sangue, morte e desgraça à espreita, diálogo entre bêbado e cego, o horror do vazio, conflitos entre mãos e almas, a busca aflitiva de sentido, o espanto do não Ser, travessias no deserto, discussões com Deus, sedes nunca saciadas, tempo em desespero, fomes de amor, sabedoria e beleza, possibilidades de esperança, música, paisagem e estrelas e as infinitas perplexidades frente ao Ser, o mistério, a poesia, a beleza, o absoluto e o nada. E uma porção de saudade, com o que acabo, chamando Fernando Pessoa para homenagear Henrique Dória. 

                                                                 “Ter saudades é viver

                                                               Não sei que vida é a minha

                                                              Que hoje só tenho saudades

                                                                De quando saudades tinha

 

                                                                Passei longe pelo mundo

                                                               Sou o que o mundo seu fez

                                                              Mas guardo na alma da alma

                                                                 Minha alma de português

 

                                                                  E o português é saudade

                                                                   Porque só se sente bem

                                                                  Quem tem aquela palavra

                                                                     Para dizer que as tem.”

 

 

 

Rossini Corrêa, escritor



Qual é a sua reação?

Gostei
0
Adorei
2
Sem certezas
0

Também pode gostar

Os comentários estão fechados.

More in:Cultura